Vejam a velocidade com que os governos levam nosso suado dinheirim...

domingo, 24 de junho de 2012

Amores equivocados não têm a ver com AMOR

Sei que você não passa por isto, mas talvez tenha alguém  pertinho de você que se enquadra no que escrevo nesta matéria.

Mas que título mais maluco é esse, Alamar? Não entendi nada.
Vou fazer o possível para você entender bem o que eu quero passar, através desta matéria.
É possível existir amor equivocado?
Se é equivocado não pode ser Amor, não é verdade?
É, eu também acho isto.
Mas é exatamente isto que quero enfocar, considerando os absurdos que as pessoas fazem em nome do Amor, as agressões, as violências e os sofrimentos em nome do Amor.
O assunto daria um livro, mas vou fazer o possível para resumir em um artigo grande, como estou acostumado a fazer.
Em nome do Amor muitas maldades são feitas no mundo, muitas estratégias sem vergonha, muita safadeza, muita gente enganando a si próprio, muita perversidade e até muita tragédia.
É como o nome de Jesus, que também vem sendo utilizado ao longo dos séculos para a exploração das pessoas, do enriquecimento de alguns, das perseguições, das torturas, do patrulhamento da vida dos outros, das sabotagens, dos boicotes, da apologia ao sofrimento e de tanta maldade.
O Amor é uma coisa, o amor da boca dos homens é outra.
Jesus é uma coisa, o Jesus praticado pelas religiões é outra.
A grande realidade é que a esmagadora maioria das pessoas não tem consciência do que seja verdadeiramente o Amor assim como não entende exatamente o que seja Jesus.
O primeiro grande absurdo cultural é confundir Paixão com Amor. Eu falo sobre as diferenças em dois livros meus, “Visita de Extra Terrestre” e “Mulher, só é boba quem quer”.
Uma pessoa se apaixona por outra e tem o cinismo de dizer que está amando. É um absurdo, mas é o que passa na cabeça da grande maioria das pessoas. O pior é que existem até psicólogos e formadores de opinião que endossam o equívoco.
Eu assisti pela televisão uma reportagem de uma, entre inúmeras, agressões que existem entre torcedores de futebol, quando torcedores do Corinthians matam torcedores do Palmeiras, e vice-versa, quando um dos bandidos ao ser entrevistado disse:
- “Eu fiz por amor ao Corinthians”
Como é que pode um idiota desse dizer que ama? Eu duvido que o Corinthians, como também o Palmeiras, o Vasco, o Flamengo, o Grêmio, o Inter ou qualquer clube de futebol endosse, aceite e admita esse tipo de “amor” pela sua bandeira. Existem casos de diretores de clubes que são tão estúpidos como os agressores, para defenderem esse tipo de bandido e até providenciar advogados, pagos pelo clube, para livrá-los da cadeia.
Quem verdadeiramente ama não agride nunca! Usem a palavra que quiser para identificar o seu fanatismo, o seu desequilíbrio e a sua estupidez, menos Amor.
Mas o maior equívoco no entendimento da palavra Amor é verificado na relação entre as pessoas. Só que as relações são tão diversas que precisamos tratar de cada caso separadamente.
Tem o “amor” de pai para filho e de filho para pai, tem o “amor” entre homem e mulher e vice-versa, que também é subdividido entre namorados, entre marido e mulher, entre amantes, etc... tem o tal “amor” à Pátria (coisa que praticamente não existe no Brasil), tem o “amor” à Deus, o “amor” ao seu próximo... enfim, um monte de “amor”.
Eu já coloco entre aspas porque é pra colocar entre aspas mesmo.
A diversidade é tão grande que é por isto que digo que o assunto daria um livro.
Vou falar sobre alguns desses tópicos, apenas, de forma resumida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário