Vejam a velocidade com que os governos levam nosso suado dinheirim...

domingo, 13 de julho de 2014

Manipuladores do tempo...

Eis que me encontro no ano de  1898 reunido num grande salão na cidade de Nova York para juntamente com um grupo de cidadãos, discutirmos diretrizes futuras quando já se agravam os problemas de mobilidade urbana (puta merda!!! esta palavra que no futuro, políticos de uma nação do south  america vao usar de boca cheia para usurpar recursos públicos já era proferida naqueles tempos? Era não meu caro, estimado, idolatrado e tantos outros ...ados leitor destas mal traçadas linhas. Esta palavra não era usada naqueles remotos tempos, só usei aqui para encher linguiça como diz por aí o matuto que gosta de enrrolar a conversa)  na Primeira Conferência Internacional de Planejamento Urbano de Nova York.

Pois bem: A industrialização que crescera em progressão geométrica no século XIX, fizeram com que o poder aquisitivo do cidadão nova iorquino mudasse também as paisagens da cidade. Calcula-se que uma população variando entre cem ou duzentos mil cavalos transitem pelas ruas da cidade puxando charretes, e deixando para trás mil toneladas de esterco e muito fedor... Muito mesmo... Sem falar nas inúmeras doenças que surgiam a cada dia resultantes das péssimas condições de higiene sanitária advindas do problema em close.
  
Pois bem 2:
 "-Se não tomarmos medidas drásticas em menos de cinquenta anos o esterco de cavalo terá uma camada de três metros de altura...." grita entre eufórico e preocupado um cidadão que estuda os problemas ambientais e a qualidade de vida das pessoas.

-Minha empresa de rações propôe aos amigos, investimento em uma pesquisa que reduz o volume dos excrementos a cinquenta por cento e mantida a verdade dos cálculos do nobre colega que acaba de falar, não teremos uma camada com três metros de esterco, mas apenas um metro e meio, gritou empolgado um empreendedor capitalista.

-Melhor deixar como está! Falou o presidente da associação dos Crossing Sweepers, que alegou a oportunidade de emprego para os futuros imigrantes latinos em terras do Tio San...

Via e ouvia aquilo tudo com imensa preocupação, mas ainda não tinha me tornado um tagarela como hoje o sou e por isso permanecia calado. Só ouvia... Do meu lado o jovem Henry Ford com apenas vinte e cinco anos também em profundo silêncio que diante das heresias ouvidas e propostas alí, pronunciara em meu pé de ouvido a célebre frase: "Pensar é o trabalho mais difícil que existe. Talvez por isso tão poucos se dediquem a ele."

Por falarem demais poucos alí pensavam. Estavam todos mesmo eram preocupados em faturar com o grande problema da modernidade. Termiada a primeira rodada de discurssões nos retiramos do recinto (poluído pela fumaça dos charutos tragados por alguns dos conferencistas) para não mais voltar. De comum acordo acharmos aquilo meio entediante e sem muito efeito prático, como tem sido até os nossos dias. Quem aí não lembra da Eco-92?
Fomos de encontro às musas de nossas vidas  Clara Jane e Fulô Bryant que assistiam a um expetáculo para damas num teatro próximo.

Pois bem 3:  Sem nenhuma ligação com os acontecimentos e propostas da tal conferência em poucos anos o modelo ford de fabricação seria responsável pela retirada em massa dos cavalos não somente das ruas de New York, como também da grande maioria das cidades americanas... E novamente viva o progresso!!! Os automóveis iriam substituir as poluentes carruagens puxadas por cavalos cagões...

Pois bem 4: Mas... Mas... Eu disse: Maaaaaaaaaassssssss.... Dou um salto temporal na linha do tempo e eis que aterriso em 2014 no transito caótico e também poluído de uma grande capital como tantas outras Brasil a fora... Os tempos mudam e de lá para cá... O que seria solução, em cem anos passou novamente a ser problema...

Pois bem 5: Senão vejamos, dois pontos, abres aspas e vejam as fotos aí abaixo...


 Alça de acesso ao elevado da Avenida Alberto Craveiro sobre a BR 116
   Alça de acesso ao elevado da Avenida Alberto Craveiro sobre a BR 116

 Em algum lucar do bairro Montese


 Em algum lucar do bairro Montese


Pois bem 6:  "Pensar é o trabalho mais difícil que existe. Talvez por isso tão poucos se dediquem a ele."  (Henry Ford)

Pois bem 7: E por que não pensamos e simplesmente pomos em prática coisas "práticas", é que, sob elevados que seriam construídos para dar fluidez ao transito são colocados semáforos (veja viaduto na Av. Treze de Maio sobre Av. Aguanambu), anulando o efeito da construção, como também ante a entrada em rotatórias, (veja o exemplo da praça M Dias Branco nos entroncamentos da rodovia BR 116 com Av Eduardo Girão e a já citada Aguanambi)

Pois bem 8:  É a turma do sem jeito como diria o nobre colega e imortal da APL João Teles de Aguiar no blogue coreausiara.

Pois bem 9:  Quem será então o Ford do século XXI, que sem participar de conferencia nenhuma dará à humanidade uma nova e eficaz ferramenta de deslocamento de massas, com conforto e sem agressão ao já combalido ambiente em que vivemos? Quem?

Pois bem 10: Dá licença um instantinho que vou alí na minha máquinha de teletransporte... Preciso voltar ao jardim...

Tenho dito... E sempre!!!
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário