Vejam a velocidade com que os governos levam nosso suado dinheirim...

domingo, 12 de outubro de 2014

Da série: Melancolia...

Era meados do ano 1968, mas precisamente sete do mes de julho em plena repressão do governo Artur Costa e Silva general da chamada linha dura que viria em dezembro do mesmo ano instituir o mais terrível decreto institucional dos anos de chumbo, o terrível e temido Ato Institucional AI-5, chorava pela primeira vez aqui na terra, mas precisamente no pé da Serra da Penaduba, o mais revoltoso de todos os revoltosos (pelo menos quando o assunto é o verbo, já que na hora do cheiro de pólvora, já senti tantos nos ultimos tempos o homem não se sustenta em pé) que esta terra sucupirana pariu no último século.

E nada fora fácil... A começar pela refeição logo nos primeiros momentos de vida um angú azedo (de tando chorar algum gênio sugeriu matar a fome do bruguelo com mingua de puba. Ao meu anjo de guarda inda hoje rogo graças por tão velada proteção).

Crescido no regime, sempre atento ao modo calado dos pais. O regime não permitia muita discussão política e qualquer um poderia ser denunciado...

A genitora, uma professora leiga ("-A ignorancia é uma benção Royalties para o personagem Cypher do filme Matrix) e o pai um agricultor pouco politizado fizeram do lar um espaço de poucas discurssões políticas. Apenas politica. O "protagonisado" bipartidarismo ARENA-Aliança Renovadora Nacional, agremiação da direita militar versus DB-Movimento Democrático Brasileiro, agremiação da resistência amordaçada pouco importava para aquele ambiente.

E tudo continuava difícil...
Veio as primeiras eleições diretas para governadores em 1982 e os meus quatorze anos não enguliam o fato de mesmo com pouca divulgação em mídia (que mídia? Apenas um Rádio ABC canarinho movido a quatro pilhas Ray-O-Vac, as amarelinhas) mas muitas chapas em papel jornal já marcadas em negrito...

E tudo continuava difícil... Aí veio a redemocratização do pais. Era o ano de 1985. Depois das grandes campanhas e comícios pelas diretas já no anod de 1984. Se os adolescentes e jovens de hoje pudessem ver em tela os rumos e horizontes meu e de tantos outros naqueles remotos tempos, ririam ou chorariam... Muuuuuito... Acho que chorariam...

Ainda não foi daquela vez... Tivemos eleição para presidente. Mas eleição indireta. Dois candidatos. Maluf e Tranquedo.

E tudo continuava difícil... Aí veio a primeira eleição presidencial direta. Era o ano de 1989. O podo sedento por eleger seu presidente viu parte da massa alienada engulir o candidato da direita golpista (leia-se elite branca e conservadoras, capital expeculativo, mídia e outros.) para imediatamente após a posse dar o maior calote que se tem registro na população que o elegera e nos adversários também.  Quem aí não lembra do bloqueio da poupança nos anos noventa?

O brasileiro em sua totalidade à excessão dos amigos do rei levaram a maior rasteira que se possa imaginar.

E tudo contiuava difícil... Aí veio o impeachment. Cursando Engenharia Operacional de Construção Civil na Universidade Vale do Acaraú partimos em setembro do campus da Betânhia rumo ao centro em caminhada todos de preto. Fora alí naquele ano meu batismo na luta de classes. Uma pena. Naqueles remotos e difíceis tempos ninguem portava uma máquina fotográfica sequer e muito menos a imprensa foi lá. Era coisa feita com vontade mesmo. Com garra. Não era apenas para postar depois nas redes sociais não... No final ao que me parece enviávam um relatorio sobre o movimento. Número de participantes etc. Deu resultado: Em dezembro do mesmo ano o presidente caçador de marajás renunciaria...

E tudo continuava difícil... Terminei o curso. A recessão reinante no pais não me permitira a realização dos sonhos mais básicos de um jovem adolescente recem formado. Um verdadeiro "rapaz latino americano e sem dinheiro no bolso" (Royalties para o compositor Belchior) Tudo fora deixado para tráz. Tudo... Sonhos... Planos... Projetos... Paixões... Tudo... Tudo mesmo... O caminho fora longo e nunca fora permitido retorno... Os fragmentos de uma vida... As peças vitais e mais importantes da vida tinham sido perdidas... Quase que para sempre...

E tudo continuava difícil... O pesadelo dos anos noventa, apesar da estabilização econômica e da moeda que tinha perdido uns nove zeros,  ajudara a piorar a vida de idosos, adultos e jovens. Tião que o diga... Sou testemunha ocular de sua desventura...  A virada do século era de esperança... Muita esperança... O novo milênio adentrara trazendo luz ao pouco de força e garra que o brasileiro ainda tinha depois de tantas lutas e expoliações por parte do Estado tirano e elitista.

E tudo continuava difícil... Em 2002, na quarta tentativa eis que chega ao poder central o torneiro mecânico. Um homem vindo do povo e que sabia as demandas de sua gente. Sem diploma governou e mudou para melhor a vida de milhões de basileiros. Muitos Tiãos... Por oito anos nos dois mandatos conquistados pela vontade do povo sofrito e à revelia da elite golpista trabalhou em prol dos que durante cinco séculos foram usurpados e escravisados para manter o luxo das oligarquias. De tão bom que era até para as oligarquias levou beneses.

Aí as coisas melhoraram... Sua indicada para continuar as mudanças também seguiu a sua cartilha. 

E hoje quando tudo se estabiliza vemos todas as conquistas dos últimos dez anos serem ameaçadas pela mesma elite exclusivista se servindo de uma massa que já nasceu no boom do governo popular... Por desinformação ou por egoísmo muitos dos que servem de bucha de canhão para os golpistas brancos atiram no próprio pé negando as conquistas sociais adquiridas com tanta facilidade. Tivessem passado por que passou a minha geração viriam quanta burrice comentem... Mais ainda é tempo de repensarmos... Basta que com atençao esmerada se acuidem de ficarem informados sobre a história recente desta país de lutadores...

Tenho dito... E sempre!!!





Cronica do dia? Ctrl C e Ctrl V - Para mostrar a realidade...

A campanha eleitoral continua a todo vapor. Como previram alguns analistas desde o início do ano o jogo iria ser pesado. (E sujo também!!!) E está sendo mesmo.  O Partido da Imprensa Golpista-PIG, (royalties para o jornalista Paulo Henrique Amorim do blogue conversa afiada)  vem desde início do pleito utlizando artilharia suja e pesada. Deseja a qualquer custo tomar o governo dos trabalhadores. Infelizmente a grande massa em especial os jovens que não viveram os amargos anos noventa e desconhecem o inferno vivido pelos brasileiros naqueles negros tempos ignoram o perigo que é o retorno ao governo desta direita raivosa, elitista e que nunca aceitaram o fato da população desfavorecida ter tido o direito de trocar o angú azedo por uma sopa de costelas. Os benefícios adquiridos nestes doze anos de governo do Partido dos Trabalhadores parecem ignorados. Não podemos deixar isso acontecer. Precisamos alertar a todos. 

Jovens que hoje frequentam as mais variadas universidades, que dispôem de bolsas remuneradas para se qualificarem desconhecem a miséria vividas  pelos seus pais e por pessoas como eu que estou na faixa dos quarenta e que como jovem naquele época vi meus sonhos correrem na sargeta do abandono. Abandono das escolas públicas, universidades, da infra estrutura, do funcionalismo. Abandono de tudo. Eles abandonaram tudo. Abandonaram o Brasil e o brasileiros. E agora se dizem não terem desistido do Brasil.

É questão de grande responsabilidade todos que vivemos amargamente os anos noventa erguermos a bandeira vermelha do PT, de Lula e reelegermos Dilma 13 presidente do Brasil.

Os ganhos, os avanços, as conquistas sociais não podem ser jogado na sargeta. Não!!! Esta juventude que acabou de sair das fraldas e que desconhecem o terror implantado pelo neoliberalismo nos anos noventa precisa estudar a História recente do pais e dizer não a este projeto elitista e que massacra a maioria que vive de salário mínimo. Isso são minhas palavras neste momento de tensão. Momento de tristeza. Momento de incerteza. Não me esqueço!!! Nunca me esqueci... As sequelas daqueles tempos sombrios me corroem o coração até os dias atuais. Meus sonhos... Meus projetos de vida profissionais e sentimentais... Todos destruídos... Todos...Unicamente por causa de uma política de destruição de massas em defesa apenas dos ricos capitalistas e rentistas do mercado financeiro. E mantidos graças aos mais altos índices de corrupção. Corrupção que agora dizem condenar. 

Abaixo uma sequencia de manchetes facilmente acháveis na internet. O golpe está sendo dado. Um golpe branco diga-se de passagem. Como foi a ditabranda denominada na atualidades pelos apoiadores. Leiam apoiadores a mídia golpista. 

Tenho dito... E sempre!!!

FHC- O patrono maior do neoliberalismo no Brasil

(...) Para FHC, mais de 43 milhões de brasileiros são ignorantes. Só porque não escolheram o candidato dele. Mas, para quem conhece FHC, esse comportamento não é surpresa: ele nunca escondeu seu desdém pelo Brasil, especialmente pelos brasileiros que não nasceram em berço de ouro e precisam trabalhar para viver. Em 1996, quando era o presidente escolhido pelo povo, retribuiu chamando os brasileiros de caipiras. (...)

A imprensa golpista está aí, a todo minuto a denunciar corrupção...  Tentando imprimir no incauto telespectador que ela corrupção é cria do PT, de Lula e Dilma.  Mas o brasileiro atento, crítico e observador sabe que a coisa não é bem assim. A corrupção está instalada há mais de cinco séculos na História política da nação. Não que eu esteja aqui a defendê-la. Muito pelo contrário. Acho que ele deve ser perseguida diuturnamente pelos governantes de plantão. Mas não podemos levar o resultado das eleições para a questão meramente sobre corrupção. Teremos tempo bastante para isso. Corrupção não é exclusividade do governo popular de Lula, Dilma e Partido dos Trabalhadores. Não! Os que hoje posam de maria imaculadas e puras foram, são e serão com certeza tão os mais ímpios neste quesitos do que os da atualidade. Pois ao que parece este mal cresce em progressão geométrica. Senão vejamos:

Manchetes da época em que FHC comprou a aprovação da emenda constitucional que aprovou a reeleição.

Hoje passado quase duas décadas ninguém mais se lembra não é mesmo?


Hoje passado quase duas décadas ninguém mais se lembra não é mesmo?
 Hoje passado quase duas décadas ninguém mais se lembra não é mesmo?

 Hoje passado quase duas décadas ninguém mais se lembra não é mesmo?

Hoje passado quase duas décadas ninguém mais se lembra não é mesmo?

 Hoje passado quase duas décadas ninguém mais se lembra não é mesmo?

 Hoje passado quase duas décadas ninguém mais se lembra não é mesmo?
Hoje passado quase duas décadas ninguém mais se lembra não é mesmo?

Hoje passado quase duas décadas ninguém mais se lembra não é mesmo? 

Sionistas

Sionistas
Sionistas
Sionistas




Eu poderia ficar aqui a postar fotos e manchetes até deixar esta postagem interminável, mas sabendo que hoje a internet é um grande almanaque, quem quiser basta busca. Felizmente não estamos como noutros tempos a depender apenas da informação da midia conservadora e golpista.